© 2017 por 50 Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

RESENHA de "(In) Verdades" (Duologia Brasil 2408 - vol. 01), de Lu Ain-Zaila

 

 

SINOPSE DE ORELHA

 

Em 2198 um revés mudou a realidade mundial de forma esperada, inesperada e assustadora. E com o Brasil não foi diferente, tempos escuros dançaram sobre o território até que a consciência humana finalmente compreendesse que precisava evoluir e respeitar, por assim dizer, mas quando foi que isso significou a inexistência de problemas? Há algo sob a sombra do berço esplêndido e tudo está relacionado.


Ena nasceu neste mundo consciente e finito. Sua mãe Naira ajudou a fundar o CCDP e seu pai, o Alto Oficial Amir Dias era um Resgatante.
O atentado de 2396 ao CIA mudou tudo, seu pai morreu como herói e caso foi arquivado nas sombras do tempo. O passar dos dias nada trouxe além de culpas indiretas sobre um grupo que só veio a crescer no decorrer dos anos em oposição ao controle biométrico e outras coisas.


Agora Ena é uma mulher forte e focada, mas aquele dia a persegue, a impunidade vez ou outra ressoa nos temporais sem aviso que visitam os distritos.


O mais importante a saber é que em sua mente foi encerrado o destino de todo um país e para alcançar a verdade que ainda ignora existir, Ena precisa alcançar o seu objetivo... se tornar uma oficial das Forças Distritais do Brasil.
A busca por essa lembrança mudará tudo, para além do seu controle e de si mesma, mas para entender, ela deve retroceder aquele dia, o atentado, e compreender a profundidade do provérbio africano Sankofa que se manterá onipresente até o fim, pois... Nunca é tarde para voltar e apanhar o que ficou para atrás.

 

SOBRE A AUTORA

 

Sou iguaçuana, carioca, pedagoga e agora também uma autora iniciante e audaciosa.


Sempre escrevi poesias e contos sem maiores pretensões aqui e ali, o que começou a se alterar suavemente a partir da publicação de O Caminho Sankofa de Nande.


Mas em 2015 eu tomei uma decisão... me tornar uma escritora de ficção à disposição da Literatura Representativa.


Gosto de criar vozes diversas em cores e gêneros, viajar por possibilidades e para 2017 espere muitas novidades.

 

NOTAS

 

ENREDO: 5

PERSONAGENS: 3

DESENVOLVIMENTO E ESCRITA: 1

INÍCIO: 4

MEIO: 2

FIM: 2

 

NOTA FINAL: 2,8 de 5

 

LIVRO BOM PARA: se decepcionar

 

MINHA RESENHA

 

Que bagunça esse livro... Uma pena, mas está uma bagunça.

 

Ele tem um enredo que promete: uma distopia onde o meio ambiente ficou seriamente debilitado e a população encontra, através da tecnologia, uma forma de sobreviver de maneira confortável. Até aí tudo bem. O início do livro também é bacana, consegue fazer um panorama legal do novo mundo e dos personagens que seguiremos ao longo da história.

 

Só que tudo desanda. O primeiro ponto são os personagens. Por conta de uma péssima (ou ausência) de revisão, eles acabam ficando sem personalidade. Rasos, simplesmente não dá para gostar de nenhum deles. Há muita descrição física, mas nenhuma psicológica. Todos, no final, parecem iguais, tem os mesmos discursos, nunca divergem... Você vê que a parada está bem fraca.

 

Mas isso dá para relevar. O que não dá para passar batido é em relação à revisão. Por se tratar de um livro independente, acho que ele não passou por esse processo, pois há MUITOS erros de português, muitas pontas soltas e o encaminhamento da história é forçado e, ao mesmo tempo, sem nenhum plot. O que provavelmente seria o ponto de virada não causou nenhum tipo de impacto, pois não foi feito no momento certo e a personagem principal, Ena, fica literalmente uma mosca-morta frente a isso. Tudo é aceito muito fácil, não se questiona sobre nada... Realmente faltou uma revisão, uma olhada mais a fundo no livro para perceber que o caminho traçado bem no início não estava convencendo ao longo do caminho.

 

Acabou se tornando uma decepção muito grande pois eu esperava muito do livro: autora mulher, negra, independente, que escreve uma distopia com uma protagonista negra. O problema é que o autor precisa entender que nem sempre aquela visão maravilhosa que ele tem na cabeça funciona na prática. É sempre necessário alguém de fora para ler de maneira crítica e mostrar o caminho correto, tirar alguns nós da cabeça do autor que nem ele sabia que tinha. É muito complicado quando se fala de autores nacionais independentes, ainda mais de maneira crítica, pois é fácil levar para o lado pessoal. Por favor, não leve. A história tem tudo para ser maravilhosa e espero que essa resenha, de certa forma, ajude a autora a revisar sua escrita e encontrar uma melhoria, a fim de sua obra chegar a mais pessoas.

 

"(In)Verdades" foi uma leitura decepcionante, cheia de erros, mas que tem tudo para melhorar, bastando revisar.

 

COMPRO, BAIXO, PEGO EMPRESTADO OU PASSO LOTADO?

 

Apesar de estar super acessível e fazer parte do Kindle Unlimited, acho que não é o melhor momento para ler esse livro. Depois de uma revisão ele aí sim estará pronto para conquistar novos leitores.

 

ONDE COMPRAR

 

Amazon.com (disponível no Kindle Unlimited)

 

Quer participar do projeto? Então poste uma foto com o seu (In)Verdades com a hashtag #blog50livros que adorarei ver. E já fez resenha sobre ele no Skoob? Então me envie um email para contato@50livros.com que vou ler com muito amor! ;-)

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Some elements on this page did not load. Refresh your site & try again.

Please reload

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Instagram - Black Circle